Os Pobres ganham uma nova Capa






Em março de 1983, fica pronto o projeto do novo prédio, doado pelo arquiteto Édison Pinton, com um edifício em forma de flecha, simbolizando a jornada evolutiva da Humanidade.


Em 24/05/1983, ocorre o primeiro Chá do Banco do Leite, sob coordenação de Lizete Isfer Alice, na casa da senhora Marília Jorge.


No mês de junho, tivemos um curso ministrado por José Raul Teixeira na Capa, nos dias 18 e 19. Já a palestra de aniversário de 61 anos foi ministrada por Jacob Holzmann Netto.


Entre 1983 e 1985, diversas iniciativas foram promovidas para arrecadar fundos para a construção da nova sede, como os dois “Chás da Primavera”, em 1983 (no Círculo Militar do Paraná) e em 1984 (no Clube Curitibano), o “Jantar da Primavera” em 1984 e a “Noite Italiana” em 1985, ambos no Círculo Militar do Paraná. Ainda em 1984 foi realizado o 1º Jantar Dançante do Dia das Mães, evento anual que tornou-se tradicional, tendo sido realizado por 35 anos seguidos.


Também foi lançada a campanha permanente “Dê uma nova Capa para os Pobres”, que consistia na distribuição de carnês com 12 mensalidades de contribuição. Por 10 anos consecutivos (de março de 1983 a dezembro de 1992), estes carnês amealharam recursos para as obras de construção, reformas e ampliação da nova sede.


Com a notícia da construção se espalhando por toda a comunidade, o movimento de doações se ampliou, obtendo participação desde as pessoas mais humildes até grandes empresários curitibanos, como a renda de um barreado beneficente promovido pelo casal Ceres e Renato Trombini na Feira de Santa Rita e as verbas doadas pelo Vice-Governador do Paraná à época (mais tarde Governador), João Elísio Ferraz de Campos.


Neste intervalo, Mabel Holzmann foi reconduzida, em 1984, para o seu quarto mandato na presidência da Capa.


Em 01/06/1985, foi inaugurada a “Casa Benedita Fernandes”, unidade avançada da Capa dos Pobres na favela do Jardim Califórnia, no bairro do Mossunguê, com atividades de evangelização de crianças e adultos da comunidade.


E no dia 27/08/1985 ocorreu o encerramento das atividades na velha sede, com uma palestra de Ana Jaicy Guimarães. Já em outubro, começou a demolição da “casa de madeira” que nos serviu de sede por quase 44 anos, sendo iniciadas as obras de construção da nova sede, que durariam aproximadamente 2 anos.


Mas as atividades da Capa não pararam neste período, pois 3 Casas irmãs acolheram provisoriamente a família Capa dos Pobres:


  • o Centro Espírita Ildefonso Correia acolheu o Grupo Mediúnico Ruy Holzmann;

  • o Centro Espírita Irmão Mateus abrigou os Grupos Juvêncio de Araújo Figueiredo, Orozina Garcez Leite, Balbina Branco e Didi Guimarães durante algum tempo;

  • em seguida, os quatro Grupos acima foram transferidos para o Centro Espírita Fé, Amor e Caridade.


As equipes da Casa também continuaram muito ativas em diversas frentes e campanhas para obter recursos financeiros para custear a obra de construção, realizada pela Construtora Albion Ltda., sob a gestão do engenheiro Ivan Isfer, que ofereceu significativa contribuição para o êxito do empreendimento.

Durante a construção, Vilma Holzmann Meister assumiu a presidência da Capa, em setembro de 1986, priorizando as obras de finalização da nova sede. Em 1987, Miguel Meister generosamente incumbiu-se das despesas finais da construção, possibilitando que o prédio fosse concluído e a inauguração fosse agendada para 20 de novembro de 1987.


Acesse e siga-nos em nossas redes sociais:


💟 www.instagram.com/capadospobres 🌎 www.facebook.com/capadospobres #Capa100 ✨❤️✨